Atividade Física

Alimentação

Sedentarismo

Viva Com Saúde Total

Browse By

Intolerância à lactose: preciso abandonar o leite?

Você sente gases, inchaço ou diarreia quando consome produtos à base de leite? Já percebeu um mal-estar depois de beber aquele iogurte que estava tão bom? Se sua resposta foi afirmativa, você pode ter intolerância à lactose. Mas, será que você terá que parar de ingerir leite e seus derivados? Essas e outras dúvidas serão respondidas no decorrer desse artigo.

O que é ser intolerante à lactose?

Bom, pessoas intolerantes à lactose possuem pouca quantidade da enzima lactase. Essa enzima está presente no corpo humano e é responsável pela quebra da lactose. Então, quando você não possui a enzima lactase, ou possui em quantidade insuficiente, o açúcar do leite (lactose) não é digerido. Sendo assim, você passa a ter uma má absorção da lactose e, por isso, começa a apresentar alguns sintomas que envolvem o intestino.

Mesmo apresentando baixos níveis da enzima lactase, você pode conseguir digerir produtos lácteos. Mas, se esses níveis estiverem muito baixos você será intolerante à lactose. Vale lembrar que a intolerância à lactose é diferente de alergia ao leite. Pois, a intolerância à lactose é a má absorção à lactose, enquanto a alergia ao leite é alergia à proteína do leite.

Sintomas

Os sintomas são muito comuns. Você pode apresentar: diarreia, desconforto abdominal, distensão abdominal, flatulência/gases e, às vezes, até constipação.

Os sintomas da intolerância à lactose e da alergia ao leite são muito parecidos. Mas, a alergia ao leite tem uma incidência na primeira infância e prevalece constante ao longo da vida. Já a intolerância à lactose, não. Nós somos mamíferos, então, nos primeiros anos de vida a intolerância à lactose é extremamente rara. No entanto, com o crescimento, a nossa capacidade de digerir a lactose vai caindo.

Diagnóstico

Se você sente desconforto abdominal ou flatulência, não necessariamente você tem intolerância à lactose. Para estabelecer o diagnóstico é necessário analisar o diário alimentar associado aos sintomas. Por exemplo, se toda vez que você bebe leite, você passa mal, isso gera uma grande suspeita de que você tem a intolerância. Mas, é preciso comprovar esse diagnóstico.

Para comprovar o diagnóstico, a maneira mais comum é o teste sanguíneo. Nele, o paciente vai em jejum ao hospital, se dá uma dose de lactose (normalmente 50g), e vai se medir a glicemia. Então, se o paciente absorver a lactose, ele vai ter a enzima e vai absorver glicose da lactose. Por isso, se medindo no sangue a glicose e se ela se elevar, significa que o paciente absorveu.

O teste de escolha é o teste de hidrogênio. Ele é um exame muito simples, em que a gente mede o hidrogênio no ar expirado. O paciente vem em jejum, toma uma carga pequena de lactose, e assopra numa máquina. Nessa máquina é feita a dosagem de hidrogênio. Se o paciente absorver a lactose, a concentração de hidrogênio vai ser constante. Mas, se não absorver e tiver fermentação intestinal, ele produz hidrogênio no intestino. Dessa forma, por difusão, cai na circulação sanguínea e sai no ar expirado.

Intolerância à lactose secundária

O trato digestivo alto, o intestino proximal, é onde se é feita a absorção dos carboidratos. Nessa localização do trato digestivo nós não temos bactéria, ou temos uma carga bacteriana muito pequena. Se por alguma patologia o paciente tiver o super crescimento bacteriano nas porções proximais, a bactéria vai fermentar a lactose antes de ela ter sido absorvida, mesmo que tenha a enzima. Dessa forma, a fermentação bacteriana é responsável pelos sintomas do paciente.

Nesse caso, o teste do sangue dará positivo, mas não será possível diferenciar esse tipo de intolerância do outro. Mas, no teste de hidrogênio é possível separar essas duas populações. Uma população tem a intolerância primária, por falta de enzima, e o tratamento é referente ao manejo dietético. Mas, quem tem por super crescimento bacteriano, o tratamento vai ser algum tipo de antibiótico terapia de normalização da flora.

Tratamento

Há alguns anos a conduta era limitar a ingestão de leite e derivados. No entanto, o leite, hoje, é o alimento mais completo e mais importante para a população em geral, porque é de baixo custo. Então, é completamente contraindicado a limitação da ingestão do leite. Pois, o leite tem cálcio, proteína, uma séria de vitaminas. O tratamento hoje é fazer com que o paciente tome o leite normalmente e faça o uso de enzimas. A lactase existe comercialmente, então, a pessoa toma a enzima quando fizer o uso do derivado lácteo.

Consulte o seu médico. Cuide de você! Viva com saúde total!

Fonte: Intolerância

AVISO LEGAL

O conteúdo disponibilizado neste Portal tem caráter educativo e Informativo, visando ao esclarecimento de dúvidas em relação a medidas preventivas de saúde, exames diagnósticos, tratamentos e problemas de saúde diversos, baseado em pesquisas realizadas em diversas fontes disponíveis na Internet. As informações constantes dos vídeos e Artigos publicados nesse site não substituem consultas a profissionais médicos, nem têm por objetivo ou devem ser interpretadas como diagnóstico, recomendação de plano de tratamento e muito menos prescrição de medicamentos. Em caso de dúvidas, procure seu médico.

Selecionadas Pra Você

    • This category has no posts!

Selecionadas Pra Você